Pular para o conteúdo

Salvador, Bahia: A Terra da Alegria

  • Publicado em

Depois de fazer grandes amigos baianos durante meu intercâmbio nos EUA em 2006, a Bahia passou a ser um dos destinos mais esperados na minha lista de viagens.

Após 6 anos, fui reencontrar meus amigos em Salvador.

Praia do Encanto
Chegando em Salvador, fui comer moqueca de camarão no restaurante DONANA. Comer esse prato delicioso ao chegar na cidade foi um ótimo cartão de visita.

Enquanto eu elogiava a moqueca, meu amigo Alisson já me avisava: A Bahia vai te conquistar pela barriga!

E foi verdade! Nos 3 dias seguintes comi caruru, vatapá, moqueca de siri catado, mariscada, arroz de camarão, acarajé, beiju, farofa baiana.

E no penúltimo dia fiquei maluco com um quitute chamado “Pão Delícia”. O Pão Delícia faz jus ao nome.

É um pãozinho bem macio, cremoso, que desmancha na boca. Uma delícia! Essa é uma guloseima tipicamente baiana, presente em quase todas as festas e confraternizações, assim como o pão de queijo em Minas.

Um bom restaurante, tradicional e com um ótimo preço é o Frango do Moura, que têm como especialidade o maravilhoso prato de frango assado na brasa com manteiga de garrafa e queijo parmesão. Outra boa opção é a pizzaria Vignoli.

Essa, um pouco mais cara, mas em um local muito agradável e com boas opções de pizza, é uma criação do artista plástico Cláudio Vignoli, que investiu em um modelo de serviço bem diferente, onde come-se as pizzas com as mãos, usando luvinhas de plástico, já que não há talheres.

As massas, finíssimas, não levam óleo nem ovo e recebem 24 opções de cobertura antes de ir ao forno a gás.

Para o calor da Bahia, nada melhor que um sorvete em uma sorveteria bem localizada e com ar condicionado. O nome dessa sorveteria é Frio Gostoso e os sorvetes lembram muito os gelatos italianos, de tão gostosos!

Dos bares frequentados, o melhor sem dúvida foi o Coco Bahia. Com móveis rústicos de madeira, chão de areia batida, periquitos e araras em puleiros e garçons e garçonetes vestidos a caráter, a casa têm um clima muito descontraído. Um clima de praia e alegria. Clima de Bahia!

A cidade é repleta de coisa para fazer. Dessa vez, como estava sem a companhia da patroa, foquei na gastronomia e também visita aos pontos turísticos. A balada e o carnaval ficaram para uma próxima vez. =)

Dentre todos os pontos turísticos visitados, relaciono abaixo os mais interessantes:

1. Pelourinho

Se eu voltasse na Bahia com a condição de escolher um único ponto turístico para visitar, esse sem dúvida seria o Pelourinho.

O lugar têm um clima de Ouro Preto baiano: bem mais colorido e uma mistura de África, Europa e Brasil. Ou seja: ritmo, cultura e alegria!

Pelourinho em Salvador

Dentre os vários museus e galerias do local, o lugar que mais me chamou atenção foi o Solar Ferrão, onde tinha uma mostra de instrumentos musicais indígenas e africanos.

Tinha instrumento fabricado com lata, couro, madeira e até com casco de tartaruga e de tatu! Muita inteligência e criatividade!

Olodum no Pelourinho

Lá no pelourinho você pode escutar os berimbaus pelas ruas, entrar em uma igreja, uma cafeteria, um ateliê ou um bar, comer uma comidinha baiana, ir na escadaria do pagador de promessas, na casa Jorge Amado, tirar foto onde o Michael Jackson gravou o clipe da música “They don’t care about us”, entre várias outras atrações.

O melhor de tudo é que o Pelourinho está ao lado do Elevador Lacerda.

2. Elevador Lacerda e Mercado Modelo

Do centro do Pelourinho ao elevador é uma caminhada de 5 minutos. A vista do elevador para a Bahia de todos os Santos é maravilhosa e imperdível.

O Mercado Modelo fica logo abaixo do elevador, mas vale ir lá só pela experiência de andar no elevador (R$0,30), pois o mercado não têm muitos atrativos e ainda é caro.

Nada comparado nem de perto ao Mercado Central de Belo Horizonte! =)

Elevador Lacerda e Mercado Modelo

3. Farol da Barra, Cristo da Barra e Praia do Porto da Barra

O Farol da Barra é um dos cartões postais de Salvador. Ir em Salvador e não conhecer o farol da Barra é como vir em Belo Horizonte sem ver a igreja de São Francisco.

Como o passeio é bem rápido, vale a pena dar um pulo no cristo da barra, onde a vista também é muito bonita e na praia do porto da barra, onde muitos jogam futevôlei e se pode ver os capitães de areia pulando no mar.

Farol da Barra

4. Praia do Forte, Vilas do Atlântico, Praia do Flamengo

A praia do Forte é também imperdível. Lembra muito Búzios, no estado do Rio de Janeiro, com seu ar de vila, repleto de bares e restaurantes agradáveis.

Como estava chovendo e nosso tempo estava corrido, deu para conhecer somente o Projeto Tamar.

Experiência única!

Vi a desova das tartarugas e a soltura dos filhotes no mar. Sensacional!

O único inconveniente é que a praia do Forte fica longe do centro de Salvador. Aproximadamente 50 quilômetros de distância.

Mas no caminho dá pra conhecer a praia do Flamengo, uma praia maravilhosa com pinta de Hawaii, e o condomínio de Vilas do Atlântico, um lugar paradisíaco!

Projeto Tamar - Praia do Forte

5. Igreja do Bonfim

É lá que são distribuídas as famosas fitinhas do Bonfim. As imagens de Nosso Senhor do Bonfim e de Nossa Senhora da Guia vieram de Portugal.

A igreja é construída em estilo neoclássico com fachada em rococó. Chama a atenção por suas dimensões e pela posição de destaque na elevação onde foi instalada.

Todos os anos realiza-se a Lavagem do Bonfim, na escadaria da igreja, onde baianas lavam com água de cheiro e muita festa os seus degraus. Mais um motivo para voltar a Bahia!

Igreja do Bonfim

Como nem tudo é perfeito, a Bahia também têm alguns contratempos. O trânsito parecia caótico a qualquer hora do dia, as pessoas sempre muito agressivas no volante e havia muita sujeira nas ruas, como de praxe nas grandes metrópoles brasileiras.

No aeroporto, das 23hs as 03 da manhã, enquanto eu esperava pelo meu vôo, que sairia às 04hs, algumas pessoas escutavam funk na maior altura, como se estivessem sozinhas.

Se um funkeiro sem noção já incomoda, imagina agora três deles, em um espaço de uns 10 metros quadrados, ouvindo cada um uma música no talo, de madrugada, enquanto você tenta dormir.

Um pesadelo! Pesadelo que me fez procurar um funcionário do aeroporto para reclamar. Reclamação em vão. O funcionário (provavelmente funkeiro também) me disse que eles podiam fazer o que quisessem pois ali era um lugar público.

Meu Deus! Depois dessa eu que me senti incomodando. Mas não fiquei calado. O funcionário teve que ouvir a minha opinião sobre o que é um lugar público e como as pessoas devem se portar para manter o bom convívio.

Uma pena, pois a Bahia é um lugar onde têm músicos super talentosos, como Adão Negro (virei fã!). Essa banda é fenomenal!

Ritmo empolgante e letras com cunho social, bem diferente do barulho que estava me incomodando no aeroporto.

A cidade têm ainda inúmeras outras belezas como o fórum, a Igreja São Francisco, o Teatro Castro Alves, o Corredor da Vitória com suas árvores imponentes. Por isso vale a pena andar pela cidade, interagindo com o povo baiano e descobrindo em cada esquina uma atração.

Apesar de eu ter ficado na casa do meu amigo Sidney, vi que encontrar hotéis em salvador é bem tranquilo. São muitas opções de localidades e preços, para atender a todos os gostos e bolsos!

Uma pena o tempo estar tão fechado durante minha estadia lá. Por isso, nem deu para pegar uma prainha.

Mas já não vejo a hora de voltar pra Bahia e continuar descobrindo a magia desse lugar tão místico!